O egocentrismo de Lula ameaça o PT

“Lula nunca permitiu nascer ninguém perto dele”. A frase foi dita por Ciro Gomes à “Folha de S. Paulo”, logo após o segundo turno da eleição de outubro. Tenho certeza de que Jacques Wagner concordou com ele. Figura de proa no PT, o ex-governador da Bahia foi o único no partido com coragem para criticar publicamente a insistência com que Lula se mantinha pré-candidato a presidente, sabendo da absoluta impossibilidade estabelecida na Lei da Ficha Limpa. E voltou a criticar Lula porque o caudilho petista só desistiu no último dia de prazo da lei eleitoral e escolheu Fernando Haddad para substituí-lo.

Wagner havia proposto que o PT apoiasse a candidatura de Ciro Gomes, do PDT, que tinha potencial para unir a esquerda. Mas, egocêntrico, Lula temia que Ciro, se eleito, pudesse ofuscá-lo. Preferiu Haddad porque, com a soberba de sempre, achou que conseguiria eleger mais um poste e teria nele um sabujo obediente a seu dono.

Lula submeteu o PT a uma humilhação gigantesca, pois a maioria esclarecida do eleitorado brasileiro manifestou nas urnas sua náusea com os escândalos do mensalão e do petrolão. É duríssima a declaração de Ciro Gomes a respeito: “O lulopetismo virou um caudilhismo corrupto e corruptor”. Mesmo sem ocultar sua desilusão com a vitória de Bolsonaro, ele se nega a entoar a cantilena petista de repúdio ao presidente eleito: “Só o petismo fanático vai chamar 60% do povo brasileiro de fascistas. Eu não, de forma nenhuma”. Mais recentemente, insistiu: “Em São Paulo, terra do Haddad, foi 53% a 16%. Não dá para chamar 53% da população paulista de fascista, eu me recuso terminantemente a fazer isso”.

Hoje, no Brasil, o PT só se mantém expressivo no Nordeste. Mesmo assim, seu sucesso se dá mais nos grotões nordestinos, pois no primeiro turno Haddad perdeu em Recife, Fortaleza, Aracaju, João Pessoa, Maceió e Natal. No segundo, recuperou-se um pouco, mas foi novamente derrotado nas capitais de Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte. O prestígio de Lula vai se esboroando. Bolsa Família, mortadela e cachê para manifestantes profissionais já não bastam, os nordestinos começam a se cansar do PT.

Em evento promovido pela revista “Piauí” e canal “Globo News”, com vídeo disponível na internet, Ciro Gomes testemunhou que Lula sabia da bandalheira na Petrobras, porque ele próprio comunicou ao presidente que o diretor Sérgio Machado estava roubando. Lula nada fez. Ciro conta que, então, foi prevenir o ministro José Dirceu: “Tome providências porque vai dar merda”. Ao que Dirceu lhe respondeu: “Mas, Ciro, eu não consigo viver com menos de 100 mil por mês”.

Como Ciro é adorado pelos artistas de esquerda, diante desse relato fico imaginando a reação do genial Chico Buarque e de outros tantos que ainda acreditam em Lula e no PT.